quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Review Vibram Five Fingers

Este será o meu segundo review sobre tênis de corrida.

Porém este modelo que vou falar é bem diferente dos calçados que a maior parte dos corredores utilizam, e também muito diferente do tênis do meu primeiro review.

O modelo de calçado será da marca Vibram, do tipo five fingers com a separação dos dedos: 
Bikila e Kso Evo.
São tênis que imitam um pé humano, e facilitam uma movimentação natural de nossos dedos e nosso pé como um todo.

Antes de falar sobre a minha experiência, gostaria de relatar algumas características importantes sobre a constituição destes dois modelos:

Bikila:



Material superior: poliéster malha
Sola: Espessura 8,5 milímetros (2,5 Rubber/4-EVA/2-insole)
Sem palmilha removivel
Leve: menos de 100g(tamanho 40 EU)

Kso Evo:



Material superior: Tecido de poliéster
Sola: Palmilha 2 milímetros EVA + Midsole: N / A • Borracha: 3mm
Sem palmilha removivel
Leve menos de 100g(tamanho 38 EU)

Utilização:






Utilizei o Bikila (laranja), desde junho de 2016 (média de 2 treinos por semana) e o Kso Evo desde abril de 2016 (média de 1 treino pro semana), ou seja, 1 ano e 5 meses o primeiro e 8 meses o segundo.

Utilizei em treinos de rodagem (asfalto e pista) e também em treinos de velocidade (asfalto e pista). Utilizei em asfalto e pista molhada também.

Fiz uma prova de 5k e duas meias com o Bikila, no asfalto, piso seco.

Fiz uma prova de 5k com o Kso Evo, asfalto, piso molhado.

Utilizei-o com meia (apenas quando estava muito frio) e sem meia, na maior parte das vezes.


Minha percepção sobre os aspectos:

Peso:

Os dois modelos são extremamente leves e sensação de estar descalço.

Drop:

Ambos modelos de solado bem fino, o que força a utilizarmos muito mais a musculatura da parte de trás da parte inferior da perna, que no início da utilização, pode causar muitas dores musculares, caso o corredor tenha costume de utilizar tênis com diferença de drop.

Conforto:

Os dois são mais confortáveis sem a utilização de meia. Sensação de liberdade na movimentação dos dedos principalmente.

Sola:

A sola de ambos modelos é fina, que protege de machucados, porém a sensibilidade a qualquer tipo de obstáculo, como pedras e outros objetos pontiagudos é alta.
No asfalto molhado os dois possuem boa aderência, porém na pista molhada, levemente escorregadio.

Tamanho:

É altamente recomendável ver a tabela de numeração para encontrar um tamanho correto.

Tipos de treinos:

A meu ver é apropriado para todos os tipos de treinos, desde rodagens, longos e treinos de velocidade. Porém é importante que a pessoa aumente a quilometragem aos poucos para uma melhor adaptação e sem riscos de se lesionar.

Durabilidade:

A durabilidade do Bikila, que tem um tempo maior de uso do que o Kso, foi maior. A sola é mais resistente e está com poucos pontos de desgaste em comparação ao Kso. A durabilidade pode depender também do tipo de terreno que a pessoa corre (asfalto deve gastar mais).

Resumo da minha opinião:

Este calçado promove uma sensação diferente de todos os tênis que já utilizei.
Naturalmente modificamos a aterrissagem da corrida para o médio pé, e aumentamos a cadência, similar ao que ocorre quando corremos descalços.

Um ponto negativo é a dificuldade de encontrar o produto aqui no Brasil.

Eu recomendo a compra para quem já tem interesse e quem tem curiosidade de como é correr descalço, porém tem receio por conta dos pisos que treinamos. Além destes, existem outros diversos modelos da marca.


Espero que tenha gostado deste meu segundo review. É simples, porém incluo informações que são úteis aos corredores que tem curiosidade de saber mais sobre o produto.

Em breve farei de outros dos modelos de tênis que utilizo em meus treinos.


Obrigada por sua visita e bons treinos!

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Meu primeiro review: Nike Zoom Fly :)

Este será o meu primeiro review sobre tênis de corrida 😊

Sempre busquei informações de outras pessoas sobre algum modelo que estava interessada, e agora chegou a vez de dizer a minha opinião que pode ser bastante útil a quem pretende adquirir o modelo do qual vou falar.

O modelo será o Nike Zoom Fly, um calçado inspirado no Vapor Fly do projeto Breaking 2 que teve uma repercussão enorme na mídia, deixando os corredores alvoroçados. Eu fiquei, e você?




Recebi o Zoom Fly para testar no mês de agosto, e fiz questão de utilizar por alguns meses justamente para ter um relato consistente, pois nada adianta utilizar por alguns dias, e dizer que tem uma opinião formada. Eu defendo a utilização por algumas semanas justamente para perceber aspectos que dependem de um tempo maior de uso.

Antes de falar sobre a minha experiência, gostaria de relatar algumas características importantes sobre a constituição deste modelo:

Cabedal: 
Em Flymesh com forração
Cadarço Flywire
Possui 6 furos mais o furo extra
Possui contra-forte de espuma
Símbolo Nike emborrachado

Sola: 
Lunarloon
Placa interna de nylon e carbono
Não flexível


Utilização:
Até a data de hoje utilizei o tênis por 18 semanas em dois dos seis treinos semanais, ou seja, utilizei aproximadamente 36 vezes.
Testei em treinos de rodagem (asfalto, cascalho e pista) e também em treinos de velocidade (asfalto e pista).
Utilizei em asfalto e pista molhada também.
Fiz uma prova de 5k, no asfalto, piso seco.
Utilizei-o com meia e sem meia nos treinos, tanto no asfalto, quanto na pista.








Minha percepção sobre os aspectos:

Peso:
Leve e excelente para treinos e competições também.

Drop:
No início estranhei o drop e também a altura do solado, mas depois de alguns treinos me adaptei. A maciez da sola aliada a dureza da placa interna faz o mesmo adaptar aos diversos pisos, inclusive na pista de borracha.

Conforto:
Confortável tanto com meia, quanto sem meia. O revestimento interno é de um tecido bem macio.

Sola, sensação da placa:
No caminhar e no correr é possível sentir a impulsão da placa. Algumas pessoas não sentiram, mas isso pode estar relacionado com o peso corporal.
Talvez o Vapor Fly 4% que tem a placa totalmente de carbono (fato que deixa o tênis caro, assim como os tênis de basquete que utilizam de tecnologia similar), promove uma maior impulsão devido a força do material, quando comparado com o Zoom Fly.

Fôrma:
Fôrma menor e mais estreita. É recomendável olhar na tabela e comparar o tamanho em centímetros dos calçados que já utiliza, e assim ver o tamanho que  for igual quando for comprar.

Tipos de treinos:
É apropriado para todos os tipos de treinos, desde rodagens, longos e treinos de velocidade. Inclusive competições. Adapta-se ao terreno (asfalto e pista), inclusive molhados, sem escorregar.

Durabilidade:
Apesar de utilizar apenas há 18 semanas, a sola se mantém sem nenhum tipo de gasto, inclusive todos os desenhos do solado estão iguais de quando era novo. Apenas mais sujinho, é claro J







Resumo da minha opinião:
A meu ver este calçado provoca uma sensação diferente de todos os tênis que já utilizei (e olha que foram muitos J). Ele tem um preço muito mais acessível do que o Vapor Fly 4%, que foge da realidade de muitos corredores, que não tem condições de dispor de mais de mil reais em um único calçado.

O único ponto que me incomodou foi a altura do solado, principalmente porque utilizo sempre tênis de perfil mais baixo. Mas depois de algumas sessões me acostumei com a altura e até curti aumentar a minha estatura em alguns milímetros J

Eu recomendo a compra para quem já tem interesse. Principalmente porque o tênis tem um arranjo grande de possibilidades de utilizar, independente do local ou distância que o corredor faz.

Confesso que tenho muita vontade de  correr com o Vapor Fly, justamente para poder comparar os dois e verificar as diferenças nos aspectos que avaliei 😉

Espero que tenha gostado deste meu primeiro review. Em breve farei outros dos modelos de tênis que utilizo.

Obrigada por sua visita e bons treinos!

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A última prova do ano: Corrida Olga Kos


Último mês do ano com a última prova do ano.

Finalizamos 2017 na Corrida Inclusão a toda prova do Instituto Olga Kos, que desenvolve projetos artísticos e esportivos, aprovados em leis de incentivo fiscal, para atender, prioritariamente, crianças, jovens e adultos com deficiência intelectual, e também pessoas sem deficiência, que se encontram em situação de vulnerabilidade social e residem em regiões próximas aos locais onde as oficinas são realizadas. Uma corrida que defende uma boa causa e direciona as doações para este instituto.

O evento contou com duas distâncias (4km - corrida e opção de caminhada), e 10km (corrida). O percurso nas avenidas que ficam próximas ao Parque Ibirapuera ( República do Líbano e Rubem Berta), ofereceu um desafio aos participantes devido a altimetria variada.

A meta nesta prova era realizar um split negativo, ou seja, realizar uma determinada quilometragem mais devagar no início e finalizar mais rápido do que iniciou. O Marcelo e eu decidimos correr juntos do começo ao fim, e definimos um ritmo que estivesse apropriado para nós. E assim determinamos um pace médio nos primeiros 5km (4:40), e um ritmo mais rápido na segunda metade que coincidiu com a parte mais difícil do percurso 😓(4:25 média).

No início foi necessário segurar mesmo o "freio"😁, pois normalmente a maior parcela dos participantes, iniciam a prova em um ritmo mais rápido e ao longo do percurso perdem a velocidade. E nesta prova percebi isso nitidamente, principalmente porque fico prestando atenção nas mulheres que ultrapasso 🙈.

Até o terceiro quilômetro eu estava na oitava ou nona colocação, e assim quando atingi a metade da prova, já estava em segunda 👏. E como a segunda metade era mais rápida, pude abrir uma pequena vantagem e me manter 💪

E assim além de atingir o objetivo de realizar o tão difícil, mas possível, split negativo, consegui a segunda colocação, finalizando o ano de provas muito contente com todo aprendizado 💃.





Falando em dados precisos da prova, os primeiros 5km foram em 23:20(4:40) e a segunda parte em 21:47(4:21). Tempo final líquido: 45:07.

Quero agradecer ao Marcelo por ter me ajudado neste controle principalmente no início da prova, e por compartilhar destes objetivos comigo.😍

Parabéns também a aluna Claudia da assessoria, que enfrentou este percurso difícil!👏👏👏



Agora iniciaremos o planejamento para o ano de 2018, no qual continuaremos com foco nas distâncias mais curtas (5 inicialmente e 10km posteriormente) e faremos menos provas durante o ano (meta de uma prova a cada 12-14 semanas).
Estamos adorando as provas rápidas!💀

Parabéns a todos participantes! E muito obrigada por sua visita! Até a próxima!👊

Bons treinos!


2ª Corrida do Coração

Dia 15 de setembro, participei da 2ª Corrida do Coração, em Jundiaí. A prova teve o mesmo percurso da corrida Track Field que parti...